sexta-feira, 30 de março de 2012

terça-feira, 27 de março de 2012

Bem ou mal?


Uma não atitude é por si só uma má atitude.
Já dizia o Edmund Burke "Para que o mal triunfe, basta que o bem não faça nada!”
Verdade verdadinha...

Meditate... #2


Muitas pessoas queixam-se dos problemas que têm nos seus relacionamentos. 

Mas há ainda mais pessoas a queixarem-se da falta de relacionamentos.
Think about it!

segunda-feira, 26 de março de 2012

Monday...


Não adianta culpar a Segunda-Feira, afinal, não foi ela quem decretou que o dia de descanço semanal era o Domingo...

sexta-feira, 23 de março de 2012

quarta-feira, 21 de março de 2012

Era uma vez...


...uma menina. Tinha cabelos loiros, cachos em cascata sobre os ombros, olhos azuis, daqueles que são profundos, com aquela avidez de conhecimento no olhar, característica de qualquer criança que está prestes a festejar 7 primaveras. Ela pediu muito à mãe. E a mãe disse-lhe que sim. E então ela ficou feliz, muito feliz. Tão feliz, pelo simples facto da mãe lhe ter demonstrado a sua confiança, que acabou por se esquecer do motivo de tanta felicidade. Até que um dia, quando já faltavam poucos meses, a mãe lhe perguntou se já tinha feito a sua escolha. A menina lembrou-se. Entrou em pânico por dentro, mas com a maior calma do Mundo, respondeu à mãe que estava indecisa entre dois, e que no dia seguinte lhe daria a resposta. No dia seguinte, a menina foi brincar com a sua amiga Tânia. E entre risos, correrias, joelhos esmurrados e brincadeiras, fez-se luz. Quando voltou a casa, estava felicíssima. Já tinha escolhido. Apressou-se a ir ter com a mãe, e disse-lhe que a mana se chamaria Tânia. Ao que a mãe respondeu como sinal da sua aprovação com um sorriso. Então a mãe pergunta à menina qual o segundo nome que havia escolhido para a mana. O coração quase que parou. Quanto mais depressa tentava refletir, mais vazia ficava a cabeça da menina. Mas não deu o braço a torcer. Nunca dava. E após esboçar um sorriso, responde à mãe: 'O segundo nome vai ser Cristina, como o meu'. A ideia de ter criado uma espécie de 'Dinastia' através da tradição da transmissão de um nome de uma geração para a outra (sim com aquela idade, irmãs, eram de gerações diferentes na cabeça da menina) fez com que se sentisse ainda mais feliz. Ia ter uma mana, e ela é que lhe tinha escolhido o nome. Ainda que nessa altura não o soubesse, iria nascer uma relação forte, das mais fortes que existem, iria fazer tudo para a proteger. Para sempre.

A parte gira da história é que quatro anos mais tarde viria a nascer, a 3ª Cristina da 'Dinastia'.
Lado positivo: se algum dia tivéssemos lançado uma banda, o nome não seria problema: 'The Cristinas' :D

terça-feira, 20 de março de 2012

sexta-feira, 16 de março de 2012

Oh Tempo!


Estou no centro do Porto, e dou por mim a relembrar que quando era miúda, vinha com os meus pais e avós ao Porto, uma vez por mês, de comboio. Para mim aquilo era uma viagem comprida para um sítio distante. Parecia que a viagem durava meia dúzia de horas. E eu ficava ansiosa por chegar à 'promised land'. Mas ainda assim, adorava cada minuto que passava. Ia para um sítio que eu achava ser dos mais bonitos, cheio de lojas e de pessoas à minha volta. Era pura magia. O tempo parecia suspender-se enquanto eu entrava com a minha família nas lojas, e eu vinha sempre embora feliz, porque lá me compravam uma pulseira, ou outra bugiganga qualquer.
No entanto, o tempo passa. E esse traiçoeiro decide que é tempo de crescer e ver as coisas de outra maneira. Sou de Gaia, portanto a dita viagem durava 15 minutos. E eu de carro hoje demoro 5 mn a chegar ao Porto. As lojas? Entro lá a correr e é mesmo porque preciso de comprar algo e saio de lá a correr se possível. Magic is gone. Oh, tempo! Volta atrás.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Expressão do dia


"Olha lá, no dia em que deixar de ralhar/me chatear contigo/ te chatear/ te azucrinar a cabeça, aí sim, começa a preocupar-te!" <3 And this, my friends, is LOVE.

terça-feira, 13 de março de 2012

Ele...



O Pior? É a saudade. Sem dúvida. Juntamente com o facto de não se saber quando se voltará a vê-lo. A ânsia, a espera, a angustia, de talvez, nunca conseguir voltar para ele. Voltar de vez. Não ter que andar mais neste jogo de 'toca e foge'. Faltam me palavras para descrever aquilo que se sente nestes momentos. E o Adeus? No momento em si, parece ser o fim do Mundo. Do Nosso Mundo. Parece que o céu se vai abater sobre a nossa cabeça. E começamos a entender. Que só quem passa pelas mesmas situações que nós é que entende. Que o Mundo, não espera por nós, e que se queremos algo, temos que ir à luta. Depois de entender, demoramos um tempo (anos) a digerir a informação, a virá-la do avesso, a tentar imaginar todas as hipóteses possivéis. E só aí, finalmente, reagimos. É preciso um acontecimento que seja um corte Brutal com a vida até lá vivida, algo forte, para que sejamos capazes não de mover montanhas, mas de nos movermos a nós próprios. E então, aconteceu o tão esperado reencontro. Eu e ele, ele e eu. Nós os dois reunidos depois de tantos anos de separação. Eu até sei que muitos não gostam dele, que outros o criticam por ser como é. Mas isso a mim pouco importa. Esta minha decisão de voltar para ele já se tinha formado há imenso tempo na minha mente. E fico Feliz por não ter desistido nunca, por ter guardado sempre no meu coração um cantinho reservado a ele. Hoje sou Feliz. Muito mais do que aquilo que era antes de voltar para ele. Obrigada Portugal! Tu, que me viste nascer. Obrigada por tudo! Pela vista para o mar na esplanada do meu café preferido, pelos passeios até às aldeias vinhateiras de Trás-os-montes, pelas escapadas nocturnas até às termas de Chaves, pelo simples facto de existires e de fazeres deste mundo algo de mais bonito.
Porque o dia em que regressei para ti, mudou a minha vida!

sábado, 10 de março de 2012

Saturday



Porque hoje é Sábado. E também porque estes rapazes são 'amazing'. Este fim de semana não vai dar, mas para a semana vou ver onde comprar o álbum deles. Tudo o que me faça sentir descontraída e 'relax' I'm in!
Bom fim de semana gente.

quarta-feira, 7 de março de 2012

Imagine...




Imagine. O seu (ou a sua) mais que tudo chega a casa, e pergunta-lhe: 'Onde é que me levavas de férias se tivesses muito dinheiro?' Nestes momentos uma pessoa fica sem jeito, mas lá comecei a divagar e a sonhar: "Bem, acho que para começar íamos até Nova Iorque, e uma vez lá, alugava-mos um carro e iniciávamos o nosso 'road trip in America'. Desde as paisagens dos Great lakes, passando pelo Gran Canyon, até aos repuxos de água exorbitantes e luxuosos do antigo deserto do Nevada- Las Vegas. Depois, seguíamos até à costa Californiana, alugávamos um barco e partíamos à deriva, em busca de uma ilha deserta para podermos passar umas horas a sós." A resposta dele: " Uau, gostei da tua resposta. Toma. Boa sorte!" Nisto, estende-me um pedacinho de papel. Era um jogo do tipo raspadinha, onde se podia ganhar até 10.000 Euros. Aww, so sweet.
Achei muito querido o gesto dele. E claro. Não ganhamos nada.